quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Um terço dos consumidores brasileiros termina ano de 2016 com nome sujo

58 milhões de brasileiros tem o nome no SPC.

Cerca de 58,3 milhões de pessoas no Brasil terminaram o ano de 2016 com o nome sujo, o equivalente a um terço do total. Um levantamento do SPC Brasil e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgado nesta terça-feira (10) aponta que houve um aumento de 700 mil casos ao longo do ano passado. Por outro lado, houve uma desaceleração na comparação com 2015, quando a alta foi de 2,5 milhões de pessoas com nome sujo. "A explicação para a desaceleração do crescimento da inadimplência desde o primeiro trimestre do ano reside no fato de que o próprio cenário de recessão da economia, que reduziu a capacidade de pagamento das famílias, também restringiu a tomada de crédito por parte dos consumidores", analisa, em nota, o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro. A região do país com o maior número de consumidores com o nome sujo é a Sudeste, com 24,23 milhões de pessoas. O Nordeste fica na segunda colocação com 15,74 milhões de negativados, o equivalente a 39,7% dos adultos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário