sábado, 7 de janeiro de 2017

Ministério da Justiça negou ajuda a Roraima antes de chacina com 31 mortos em presídio

Documentos com data de 24 de novembro do ano passado comprovam que a governadora de Roraima, Maria Suely Campos (PP), enviou ofício ao Ministério da Justiça solicitando apoio do governo federal para atuar no sistema prisional de Roraima, em caráter de urgência, incluindo reforço da Força Nacional de Segurança. Em resposta ao pedido de socorro, o ministro informou, por meio de ofício, que “apesar do reconhecimento da importância do pedido de Vossa Excelência, infelizmente, por ora, não poderemos atender ao seu pleito”. No documento, o ministro disse que: “a Força Nacional de Segurança Pública encontra-se em fase de preparação para operação de enfrentamento de homicídios e violência doméstica, cujo plano está em desenvolvimento neste ministério, destinando, a priori, a atuação nas capitais dos 26 estados e no Distrito Federal”. Ontem, após afirmar que o estado de Roraima não havia pedido ajuda do governo federal para controlar as rebeliões nos presídios estaduais, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, voltou atrás e admitiu que foi procurado pela governadora para tratar do assunto. 

Em nota, o Ministério da Justiça afirmou que Moraes teve uma audiência com Suely Campos no dia 11 de novembro, e foi informado de que ela encaminharia ofícios solicitando o envio da Força Nacional para cuidar da “administração do sistema prisional”. A nota também afirma que foram liberados, na ocasião, R$ 13 milhões a Roraima “para equipamentos e armamentos para o grupo interno que atua nos presídios dos estados”. O presidente da República, Michel Temer, conversou por telefone ontem com a governadora Suely Campos e ofereceu ajuda federal. Ele colocou “todos os meios federais à disposição” para ajudar na segurança pública do estado, informou a Secretaria de Imprensa da Presidência por meio de nota. De acordo com o comunicado, a governadora respondeu ao presidente que a “situação já se encontra sob controle” e que, no momento, a presença federal não se faz necessária. Após a conversa entre Temer e Suely Campos, a assessoria do Ministério da Justiça informou que o titular da pasta, Alexandre de Moraes, cancelou uma viagem que havia sido anunciada para a capital de Roraima. Segundo o ministério, a governadora de Roraima afirmou que não havia necessidade de o ministro ir até o estado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário