segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Eletrocutado e amarrado com arame farpado, homem não nega a Cristo


Um cristão iraquiano que vive na cidade de Mossul foi barbaramente torturado por causa da sua fé em Jesus. Numa tentativa de fazê-lo converter-se ao Islã, soldados do Estado Islâmico o penduraram de cabeça para baixo e o agrediram com pregos, além de o amarrarem com arame farpado. Carlos (nome mudado por questões de segurança), estava na cela de uma prisão do grupo extremista. Apesar de tudo o que passou, recusou-se a negar a Jesus. Atualmente ele está refugiado na Jordânia, onde recebeu apoio da missão Christian Aid. Ele conta que, quando o EI invadiu Mossul, dois anos atrás, os cristãos que viviam ali tinham quatro opções: abandonar a cidade, conversão ao islamismo, pagar a taxa de proteção (jiyza) ou ser morto. Quando Carlos disse que não obedeceria às exigências do EI, os jihadistas o levaram para um local desconhecido. Ficou pendurado de cabeça para baixo, preso por apenas uma das pernas. “Eu recebi choques elétricos, eles me bateram com paus cheios de pregos e me amarraram com arame farpado”, conta. “Eles passaram sal em minhas feridas. Fiquei gritando por causa da dor intensa”. 

A rotina de tortura continuou até que o cristão foi levado a um tribunal islâmico, onde um juiz disse que ele teria que se tornar muçulmano para continuar vivo. “Eu recusei e afirmei: ‘Se eu morrer, morrerei orgulhoso, pois sou cristão”, lembra Carlos. A resposta do juiz foi “Você será executado a tiros dia 26 de setembro'”. Naquela data, em 2014, Carlos foi levado para um lugar afastado, na periferia de Mossul. Contudo, antes de ser executado, o líder do grupo de soldados afirmou que recebeu novas ordens. Deveriam deixar o cristão lá. Após ser espancado, Carlos foi jogado para fora do carro que o conduzia. Carlos acabou desmaiando e só recuperou a consciência horas depois em um hospital da cidade vizinha de Kirkuk, que fica a cerca de 150 km de distância. Ele não sabe dizer quem o levou para lá.

“Os médicos do Iraque disseram que não poderiam tratar minha perna e que ela precisaria ser amputada”, afirma. “Mas eu consegui ir para a Espanha e lá minha perna foi tratada. Graças a Deus eu posso andar agora, embora não tenha nada aqui na Jordânia”, explica. Até 2003, estima-se que o Iraque tinha mais de 1,5 milhões de cristãos. O país enfrentou uma série de guerras. Cerca de 80% dos cristãos iraquianos fugiram ou foram mortos. Restam menos de 275 mil seguidores de Jesus. Apesar das denúncias constantes, a Organização das Nações Unidas, recusa-se a reconhecer que um genocídio de cristãos está em curso na região. Com informações de Gospel Herald

Nenhum comentário:

Postar um comentário